De tapetes que voam sempre ouvimos falar. Mas, tapetes especiais para bicicleta e o Ali Bábá em uma cidade azul desde às paredes ao piso? Pois é, esta incrível cidade azul é Chefchauen onde nós tivemos uma pequena mostra do que viria pela frente na travessia por Marrocos. E depois de concluída a aventura, garantimos que Chefchauen é, sem dúvida, um excelente ponto de partida para conhecer este país e sua cultura.

Sendo assim, vamos juntos descobrir a magia de Marrocos, começando por essa incrível cidade azul.

Gato no quintal da cidade azul de Marrocos
onde fica

Iniciamos conhecendo a origem do seu nome, Chefchauen vem de “axauen” que significa “os chifres”. Isso porque ela está localizada nas montanhas da cordilheira do Rif, ao pé de dois picos. Esses picos são Jbel Meggou – 1616 mts – e Monte Jbel Tisouka – 2050 mts – os “chifres” que deram origem ao nome.
Além disso, a cidade está a 114 km da fronteira terrestre com a cidade Ceuta, território espanhol em África. A travessia pelo estreito de Gibraltar pode ser feito por dois pontos desde Espanha, o primeiro é partindo do porto de Algeciras. Enquanto a segunda opção é a travessia desde Tarifa, desembarcando diretamente na cidade de Tânger, já em território marroquino.

Mapa turístico da Medina de Chefchauen
Onde comer em Chefchauen
Hospedagem em Chefchauen
Trekking no Rif
Chefchauen
a origem do azul

A princípio, para algumas pessoas, tanto azul pode causar alguma estranheza. Mas logo se rendem a um dos prazeres desta cidade, perde-se pela medina explorando suas ruelas e encantando-se com os variados tons de azul. Enquanto isso tenta compreender como tudo isso nasceu, porém sobre esse assunto, não há unanimidade.
Pois, alguns atribuem à comunidade judaica, habitantes de Chefchauen por séculos. E de acordo com esta teoria o motivo seria a referência ao azul que tingia objetos sagrados no velho testamento. Além de representar uma lembrança constante do poder de Deus sobre aquele grupo de refugiados. Tanto quanto reproduzir a visão do paraíso em sua nova morada.

Ao passo que outros outros, atribuem a promessa à um rei mouro que dedicou à sua rainha Andaluza, a pintura como lembrança da sua terra. Por outro lado, há os que acreditam que a cor serve para espantar os mosquitos.

Do mesmo modo, não se pode deixar de fora, os que atribuem à dois cidadãos, que tinham a missão de pintar uma construção, porém, por terem fumado haxixe, erraram a mão na dosagem, criando então, um estilo que virou marca da cidade.

O resultado é que, se espanta os mosquitos não sabemos. Mas, que atrai turistas do mundo inteiro, nós pudemos comprovar. Tão pouco, se é obra a pensar no sagrado ou pura alucinação dos sentidos entorpecidos pelo Kif. O facto é que resultou em uma cidade com portas, paredes e pisos totalmente azul que atrai muitas pessoas que tentam registrar a melhor imagem da versão do “paraíso” azul na terra. Inshallah!

Homem caminha na incrível cidade azul de Marrocos, Chefchauen
Mulher caminha nas ruelas da incrível cidade azul. Chefchauen
Gato preto na cidade azul, Chefchauen, Marrocos
viver a rua

Xauen não é apenas, incrivelmente  azul, outras características a definem como incrível. Como por exemplo, as crianças a brincar nas ruas com as suas bolinhas de berlindes e a correr alegremente pelas ruelas. Ao passo que dos minaretes soa salá, um “Alllaaaaaaa” constante que logo nos acostumamos  a ouvir 5 vezes ao dia, é a oração muçulmana propagada por todos os cantos e uma curiosidade é que está em Xauen a única mesquita de minarete octogonal do mundo.
Continuando a peregrinação por ruelas estreitas e passe-a-se os olhos num mundo de cores e artesanato local em meio a toda tipo de comércio pela Medina.

Mulher nua no souk de Chefchauen
Mercado de rua nas ruas de Chefchauen
Produtos de Marrocos a venda no souk de Chefchauen
Artigos de cortiça e palha a venda na Medina de Chefchauen
Loja de tapetes marroquinos em Chefchauen
Produtos em madeira a venda no souk de Chefchauen
Crianças pelas ruas de Chefchauen
Onde comer em Chefchauen
os chifres

Além das ruas de Chauen, vale a pena conhecer “os chifres”. A zona montanhosa do Riff é perfeita para os amantes de caminhadas. Para isso, não deixe de conferir nosso trekking de 4 dias pelo Rif com dicas, recomendações e videos de todas as etapas.

No entanto, ainda na zona próxima às ruelas da Medina, está a queda dágua Rãs El Maa, mulheres a lavarem roupas, enquanto crianças brincam no frescor da água, que nas bacias mantém frescas às laranjas para o sumo. Em meio a tudo isso gente resistir à tentação de comprar, entre tantas coisas, djalabas e chapéus de palha enfeitados, como os usados pelas mulheres berberes rifenhas (embora os originais não tenahm tantos enfeites).

Em seguida, vale a pena subir até a Mesquita espanhola na parte alta, assim como contornar a muralha, e descobrir qual desses é o melhor ângulo dessa cidade azul.

Muralhas da parte superior da medina na incrível cidade azul, Chefchauen
Vista de desde a parte alta da muralha
saco vazio não para em pé

Bem, para tudo isso é preciso alimentar o corpo, e no país que os cinco sentidos são despertados todo o tempo, a gastronomia se destaca com aromas que conduzem o passo. Não bastasse os restaurantes e a comida de rua, há o aroma de cozinhados que passam nas mãos dos moradores vindos do forno comunitário e dos como um convite constante ao pecado da gula.
Além disso, pelas ruas o queijo de cabra, o azeite e as azeitonas da região, vão cativando e compõem uma refeição dos deuses. Sobre isso vale ressaltar que no Restaurante Lala Messouda come-se muito bem e com preços muito acessíveis.

Azeitonas e azeite do Rif, Marrocos
noites de céu azul

Naturalmente, depois de tudo isso, o descanso é merecido, até porque, na manhã seguinte há o pequeno-almoço marroquino. E quanto a isso, nossa dica é o Dar Terrae com o acolhimento e simpatia do Bilae, descendente de italiano é fluente em espanhol que nos deu dicas incríveis sobre a cidade e a quem confiamos nossa bicicleta para percorrermos um trekking de 4 dias nas montanhas do Rif, antes de seguirmos até Fès.

3