A Via Aurélia é uma antiga rota romana que conecta os caminhos da Itália com os Caminhos de Santiago de Compostela na França. Da mesma forma, é continuação do Caminho de Arles, sendo ambas denominadas como GR 653.
No entanto, a Via Aurélia segue pela Costa do Mediterrânea tendo seu início na cidade de Arles, como GR 653A, criada em alternativa a Via Domitia, que segue desde o mesmo ponto de partida, pela região dos Alpes como GR 653D.

a via do antigo imperio
inspiração, aromas e proteção…É Provence

E embora a conquista romana de construí-la para diminuir as dificuldades de travessia entre Itália e Espanha se estenda aos peregrinos, isso não significa declives suaves ou território plano.

Mas, antes de tudo, é providencial considerar que a Via Aurélia percorre uma das regiões mais emblemáticas da França, num percurso com aroma de ervas e paisagens de obras clássicas. Afinal estamos em Provence, uma região que, não por acaso, inspirou grandes mestres da pintura e literatura.

Em primeiro lugar, em Arles a presença do artista Vicent Van Gogh contrasta com as relíquias arquitectónica que classifica a cidade como a pequena Roma. Em seguida, ainda às portas de Arles, estão os moinhos que inspiraram o escritor Alphonse Daudet em uma coleção de contos chamada “Lettres de mon moulin”, Cartas do meu moinho.

Ao passo que, após a cidade de Aix, o percurso segue pelo cenário de inspiração do pintor Paul Cézanne, onde cresceu o escritor e amigo de infância, Émile Zola. Então, ao pé do Mont Sainte-Victoire entendemos sua obsessão por essa magnífica montanha.

a padroeira de provence

Enquanto isso, pacientemente, em Saint-Maximin-La-Sainte-Baume, a padroeira da região aguarda a visita, ou descoberta, de suas relíquias. Pois Maria Madalena é a Santa e padroeira de Provence Cote D’azur e suas relíquias repousam numa gruta, dentro da Catedral de Saint Maximin. 

Ufa! Tudo isso e ainda estamos no início deste caminho.

Porque sou a primeira e a última…a honrada e a rejeitada…a prostituta e a sagrada. Eu sou a esposa e a virgem. […] Sou o silêncio que é incompreensível. […] Sou a pronúncia do meu nome. 

O TROVÃO: A MENTE PERFEITA, EVANGELHO DE JOÃO
entre tons

Entre aromas provençais e paisagens imortalizadas, os acentuados declives nos lembram, acima de tudo, que não estamos distantes dos Alpes. Enquanto isso, a tranquilidade do mar Mediterrâneo equilibra a agitação turística da Riviera Francesa em meio a tons de azul, compondo uma belíssima tela. De forma que desde Frejus, passando por Saint- Raphael até à cidade do mais privilegiado festival de cinema do mundo, Cannes. o azul contrasta com o ocre do maciço de Estérel.

Então é hora de deixar para trás o mar e enfrentar duras subidas. Mas, apesar disso, vilas medievais peculiares, de característica inspiradora e artística, recompensam o esforço. Como por exemplo, Saint-Paul de Vence e a desafiante Saint-Jean ao pé de um gigantesco penhasco de 802 metros de altitude, o objeto de deleite para escaladores, o Le Baou de Saint-Jeannet.

Saint-Paul de Vence , Provence-Alpes-Côte d'Azur, Via Aurélia
a marca dos campeões

Bem, já se pode ganhar algum fôlego pois o trajeto até Nice é basicamente todo de descida. É bom aproveitar novamente o doce sabor do mar e desfrutar do leve refresco, pois seguir o mais próximo possível da linha da costa, não é sinónimo de brisa e água fresca.

E, nesse sentido, ao optar pelo trajeto que passa o principado de Mônaco e Monte Carlo, é importante lembrar de desligar os dados móveis do telemóvel. Pois mesmo que vá à velocidade do grande campeão Aírton Senna, corre o risco de sentir-se como o jogador Roberto Baggio ao perder o penálti, e o título dão campeonato mundial de 1994, ao receber a factura.

Ao passo que, para quem acompanhou as vitórias do campeão do automobilismo, a passagem pelo túnel é uma emoção singular. Enquanto isso os amantes do futebol, deliciam-se com lembranças de campeonatos e performances, ao passar pelas placas em homenagem a campeões deste desporto. Entre os homenageados estão o italiano Roberto Baggio, bem como, os atletas que construíram nações como Eusébio e Zico.

Depois de tantas emoções, o trajeto até Menton segue exigente com declives e acentuadas descidas mas, a cidade acolhe como o refresco cítrico de seus limões. 🍋 Fruto presentes nos mais diversos produtos e de grande importância para a região, provenientes do micro clima.

Portanto, conclui-se aqui 385 km entre as regiões de Provence-Alpes-Côte D’azur e Riviera Francesa, desde Arles a Menton. Ou seja, fronteira com Itália por onde o caminho segue como Via D’ella Costa.

Mosteiro em Arles

Veja o
Caminho de Arles
em video

3