O Caminho de Santiago Francês é um percurso milenar com destino ao túmulo do apóstolo São Tiago Maior, na cidade de Santiago de Compostela. Assim como, também pode ser o ponto de partida em direção ao túmulo de São Pedro, em Roma.
Percorre-lo é uma tradição antiga, que desde a Idade Média, ou antes, até os dias de hoje segue impelindo pessoas de vários credos, e pelos mais diversos motivos, seja a pé, de bicicleta, a cavalo.
Além disso, esse percurso no norte da Espanha, também é conhecido como o “caminho das estrelas“, por ser um percurso na terra, paralelo a um caminho no céu. Sendo, por isso, também chamado o Caminho da Via Láctea.

Alto do Perdão, Caminho Francés
entre romeiros e peregrinos

Em outras palavras, estamos falando de dois, entre três, importantes destinos de peregrinação cristã, que são: Santiago de Compostela, Roma e Jerusalém. Dessa forma, já tendo antes percorrido o Caminho Francés em direção a Santiago, agora seguimos na direção contrária, ligando dois destes destinos, Santiago de Compostela e Roma.

Antes de tudo é interessante saber que, segundo a tradição, quem segue em direção a Santiago é designado peregrino. Enquanto quem segue em direção a Roma, é considerado romeiro, ao mesmo tempo, quem segue a Jerusalém, é designado palmeiro.

No entanto, todo aquele que percorre um caminho na busca espiritual, ou faz da sua vida um caminho de elevação, é considerado um peregrino. Ao mesmo tempo, quem vai a uma determinada cidade com a finalidade de pagar uma promessa, ou prestar devoção a um determinado santo, é também chamado romeiro.

Assim sendo, o peregrino que percorre o Caminho Francês de Santiago em direção a Roma, é um romeiro, na contramão de milhares de peregrinos que seguem, ou não, em romaria a Santiago.

Peregrino de selos, grafite em Logroño - Caminho de Santiago Francês
Marco dos 100km, Caminho Francês
Peregrinos descansam, Caminho Francês
Albergue de peregrinos, Najera - Caminho de Santiago Francês
Cruz da Sorte, Castrojeriz - Caminho Francês
Palácio Episcopal de Astorga, Antoni Gaudí
Bar do Elvis, Caminho de Santiago Francês,
Peregrinos em Astorga
Etapa de Melides, Caminho Francês
Paisagem, Caminho de Santiago Francês
Vinho, La Rioja - Caminho de Santiago
Cavalo, Pirineus - Navarra

As pessoas sempre chegam na hora exata nos lugares onde estão sendo esperdas.

Diário de um mago, paulo coelho
atendendo ao chamado

Pois bem, muitos que partem para o caminho o fazem por um chamado. No entanto, antes de atende-lo é sempre bom saber um pouco do que pode encontrar nesses, aproximadamente, 790 km entre Santiago de Compostela e o último ponto de hospedagem em território espanhol, a aldeia de Roncesvalles. A seguir da travessia de 27 km nos Pirineus, à medieval cidade de Saint Jean Pied de Port, já em território francês, totalizando 817 km de caminho.

Mas, se o caminho está localizado no norte da Espanha porque chama-se Caminho Francês? A resposta está no facto deste ser o caminho que une os 4 caminhos provenientes da França – Via Turonensis, Via Lemovicensis e Via Podiensis. Além do caminho que segue para Roma, o Caminho de Arles/Via Tolosana, que se une ao demais em Puente La Reina, pelo Caminho Aragonés ou em Saint-Jean-Pied-de-Port, pelas GRs 65 e 78, como fizemos.

compreender a essência para seguir os sinais

Certa vez, em Portugal, um amigo referindo-se aos Caminhos de Santiago, indagou sobre como se percorre tantos desconhecidos quilómetros alcançando o destino sem se perder. Curiosamente, a poucos metros da conversa havia uma seta amarela, ou seja, a resposta sempre esteve à sua porta e ele nunca tinha visto. Em outras palavras, todo caminho possui sinais que indicam uma direção, cabe a nós estarmos aptos a enxergá-los e compreendermos a direção que nos aponta.

Por exemplo, o Caminho de Santiago possui um sinal muito simples, uma seta amarela sempre direcionada à cidade de Santiago Compostela. Por outro lado, uma seta vista na direção contrária, como ao ir de Santiago a Roma, exige o esforço de decifrar a mensagem e apurar a visão para além do óbvio.
Nesse sentido, percorrer o Caminho Francês ao contrário é também seguir num caminho sem reencontros, diferente de seguir em direção a Santiago.

pontos místicos do caminho


Existem alguns pontos místicos ao longo do Caminho Francês, um deles é o Cebreiro, sobretudo, por ser o ponto de ingresso à região da Galicia. Além disso, ao apreciar a magnitude das montanhas percorridas, o peregrino percebe capacidades, talvez, antes não imaginadas.
Como por exemplo, que a simples sequências de passos, depois da coragem movida pela vontade, ao dar o primeiro passo, o faz vencer um largo percurso, neste caso, transpondo incríveis vales e montanhas.

Peregrinos na Cruz de Fierro
entre dois mundos

De maneira idêntica ao defendido em muitas tradições, a teoria de que por de trás de nossa realidade material existe uma realidade abstrata. Nesta viagem entre o espiritual e o material, podemos não apenas fazer um paralelo do próprio caminho percorrido em terra com a Via Láctea, como a uma representação simbólica nas águas do rio Arga em Puente la Reina.

Um caminho que constantemente conduz nossos pensamentos ao alto, como na região de Logroño que alcançamos um alto que se chama perdão. Bem como, contribui para a magia de nos sentirmos mais próximos do céu ao alcançar a Cruz de ferro e finalmente deixarmos para trás pesos, representados numa pedra.

luz e sombra

Conforme seguem os passos, o peregrino descobre nas ruínas a luz que vem do amor, através do alimento e partilha, a cura.
Mas, sobretudo, que a escuridão se dissipa com a mais ténue luz entre encontros e partidas, entre velhos e os mais novos velhos amigos, que podem estar a um passo da jornada. E de maneira idêntica, que tudo isso é alimento para alma, na busca do verdadeiro “eu”, da verdadeira natureza.

o caminho e a estrela

Em suma, podemos dizer que o caminho das estrelas é como uma porta entreaberta a um porão que nos revela, relembra, a estrela que habita em nós. Porém, mantê-la cheia de luz, é o caminho da magia. Do mesmo modo que a magia, é descobrir que não se deve parar e sim, perceber pelo que realmente vale a pena lutar.

Nessa busca, sai do “porão” um corpo cansado, mas a alma renovada em companhia da criança que um dia fomos. Por outro lado, na continuação do caminho terrestre, o desafio é não perdê-la nos passos seguintes. Pois o caminho é uma constante, e a jornada continua…

importante saber

O Caminho Francês é, certamente, o caminho de Santiago com a maior diversidade e oferta de hospedagem. Desde uma rede estruturada de albergues municipais, privados e em instituições religiosas, além da rede de hospedagem turística. Nesse sentido o, os peregrinos que iniciam o percurso em Saint-Jean-Pied-de-Port, podem obter uma lista com os devidos contactos e informações da rede de acolhimento ao longo do caminho fornecido pela Les Amis Du Chemin De Saint Jacques. Onde também pode obter a credencial, essencial para usufruir da hospedagem peregrina e obter a Compostela.

Contudo, são muitos as Catedrais, Albergues, Confrarias e Associações que fornecem a credencial oficial do peregrino, algumas inclusive podem envia-la pelo correio. Em Portugal o peregrino pode contar a Via Lusitana, por exemplo. Da mesma forma no site da oficina do peregrino é possível encontrar uma lista detalhada de onde obter a credencial dentro e fora de Espanha.


E para finalizar, a Compostela é um certificado de peregrinação fornecido pela oficina do peregrino aos que percorrem, pelo menos, os últimos 100 km a pé ou a cavalo, e 200 km para quem segue de bicicleta. Além disso, certifique-se que a credencial é oficial e que esteja devidamente preenchida e carimbada a cada estadía.

Portanto, se gostou deste post siga connosco até Roma começando pelo Caminho de Arles. Mas antes, sugiro que assista o video do Caminho Francês e

Buen Camino!

Veja o video

Caminho Francés

Alto do Perdão, Caminho Francés

4