O Caminho Português Interior é um dos Caminhos de Santiago desde Portugal, devidamente sinalizado e com estrutura de acolhimento. Tal qual o Caminho Português Central – desde Lisboa, e o Caminho da Costa desde a cidade do Porto.

Além disso, há outras alternativas desde o Algarve. Contudo, embora sinalizados, não dispõem de estrutura de acolhimento específico ao peregrino. Como por exemplo, desde Tavira, num caminho paralelo à Via de la Plata, em Espanha. Além da alternativa desde Faro, mais ao interior. Ou mesmo as opções pela costa, sendo a Costa Vicentina, desde Lagos ou Sagres até Lisboa, de onde pode-se seguir pelo Trilho das Areia, até o Porto.

Caminho Português Interior de bicicleta

o caminho pelo Interior

Como o próprio nome diz, o Caminho Português Interior segue pelo interior de Portugal, na região norte do país, unindo-se aos caminhos de Espanha na cidade de Verín.
Primeiramente falemos sobre os quilómetros, quanto a isso, desde a cidade de Viseu, são 205 km até Espanha, totalizando, aproximadamente, 400 km até Santiago. O que significa percorrer uma das melhores regiões vinícolas do país em meio à lida da vida rural, cidades históricas a perder o fôlego, não apenas pelos acentuados desníveis, como também pelas belíssimas vistas. Além disso, não se pode esquecer da boa gastronomia numa região de pessoas extremamente acolhedoras.

Logo à saída de Viseu, o Parque Natural do Fontelo dá o tom nos primeiro passos. E ao mesmo tempo que o frescor de linhas d’água, recompensa o esforço das grandes pendentes, o vinho do vale do Dão e da região do Douro brinda a travessia com alguns dos melhores vinhos de Portugal.
Pois, se diz o dito popular que “sem pão e vinho, não há caminho”, em contrapartida, numa casa portuguesa há sempre bom pão e bom vinho sobre a mesa, com certeza.

Mapa, Caminho Português Interior
Caminho Português Interior de Santiago
Portugal
(H´)a vida nas aldeias

É bem verdade que uma das marcas do Caminho Português Interior de Santiago, é o exigente terreno e constantes desníveis. No entanto, aliando à solitude de um caminho pouco conhecido, ele também permite grande introspecção e aproximação com outros peregrinos. Além de proporcionar um contacto muito próximo com quem vive na região.
Isso porque o fluxo, pouco intenso, facilita a troca sem prejudicar a rotina. Pois trata-se do interior, onde a vida segue no ritmo da lida no campo. No entanto, sempre há tempo para um aceno, um sorriso ou uma paragem para a prosa. Explicar algo da região, ou mesmo, oferecer um pouco de água fresca

Desta forma, o percurso segue revelando uma beleza natural, e acidentada, entre vales fluviais, vinhedos, pendentes e desfiladeiros sinuosos. E a medida que desfrutamos da paisagem, também compreendemos qual é o verdadeiro ouro da Beira Alta, Alto Douro e Trás-os-Montes. Pois, certamente, são as pessoas.

Vida rural no interior de Portugal, Caminho Português Interior de Santiago de Compostela
o caminho, a pé e de bicicleta

Como já foi dito, em termos de terreno, certamente este é um dos mais desafiadores caminhos. Sobretudo para ciclistas, o que sobre uma tandem possui significado particular. Além disso, seguimos as marcações por caminhos velhos e trechos de estradas romanas, o que significa beleza vs esforço.

Como, por exemplo, na Beira Alta onde o terreno pedregoso é composto principalmente por granito com muitos obstáculos naturais que aumentam a dificuldade. Por outro lado, a alta vegetação de grande porte prevalece em grande parte do caminho, o que permite desfrutar de boa, e valiosa sombra, sobretudo, em dias quentes. Enquanto na região do Alto Douro e Trás-os-Montes o trajeto segue por estradas e caminhos fáceis, com grandes pendentes entre vinhedos mas poucas são as sombras. Neste caso as linhas d’água são uma salvação e alívio, revelando-se como perfeitos santuários.

Assim sendo, a rota exige dos ciclistas perícia e disposição para vencer os montes até Vila Real. Porém, a partir deste ponto, já é possível percorrer etapas mais longas sem dificuldades. Como, por exemplo, o trecho da Ecopista do Corgo.

De forma que, embora estivéssemos percorrendo o caminho em uma bicicleta, em termos de quilómetros, algumas etapas coincidem com as da caminhada, evidenciando que o terreno aliado ás altas temperaturas do final de verão, não ajudam a percorrer etapas longas. Nesse sentido, podemos dizer, que percorre-lo sobre uma bicicleta tandem exigiu que a empurrássemos tantas vezes que fizemos o caminho a pé na companhia de nossa bicicleta em etapas curtas, similares à caminhada.  

Trilhos em velhos caminhos, de bicicleta
Vista aérea de bicicleta tandem
Natureza e linhas d’água no interior de Portugal, Caminhos de Santiago
a sinalização no Caminho Português Interior de Santiago

As setas amarelas é a tradicional sinalização nas rotas de Santiago e, naturalmente, estão presentes no Caminho Português Interior de Santiago. De forma que, é possível seguir a Compostela sem medo de se perder. Contudo, exige alguma atenção considerando que, com a pouca circulação de peregrinos, eventualmente a vegetação pode esconde-las em alguns trechos. Ao mesmo tempo, as setas azuis mostram que por ali também passa um dos Caminhos de Fátima.

Antes de tudo, é importante ressaltar que uma das característica interessantes deste caminho é o facto dos albergues serem antigas escolas reformadas, dessa maneira, o peregrino é inserido no seio das aldeias. O que significa dizer que, quem nos abre a porta é um morador, estendendo as boas vindas de toda aldeia, proporcionando uma hospitalidade genuína, que reconforta, sobretudo, quando se está percorrendo sítios totalmente desconhecidos sob esforço fisico, como é o caso do peregrino.

Portanto, é esta cativante estrutura de hospedagem, presente a cada 20-25 quilómetros aproximadamente, que normalmente, dispõem de cozinha equipada. Contudo, estando localizadas em pequenas aldeias é importante saber, antecipadamente, a respeito do funcionamento dos mercados nas proximidades e /ou se há restaurantes ou cafés, próximo ao albergue.
Para isso, consulte no folheto informativo do caminho a lista de albergues com os devidos contactos telefónicos da rede. Dessa forma pode contacta-los previamente,  ou se preferir, reserve aqui um alojamento.

Linha d’água e natureza do Caminho Português Interior
Caminhos de Santiago de Bicicleta
Caminhos velhos de bicicleta, interior de Portugal
Rua de São Tiago, interior de Portugal
Antiga estação ferroviária, Ecopista do Corgo
Vinhas do Douro, Portugal
Trilhos de bicicleta
Estrada romana, Caminho Português Interior de Portugal
Milho, agricultura no interior, Portugal
Sinalização, Caminho Português Interior de Santiago
Vinhas, Caminho Português Interior de Santiago
considerações finais

Em suma, cada Caminho de Santiago é único e possui características distintas. Assim sendo, o Caminho Português Interior de Santiago destaca-se por preservar a originalidade, com características culturais ainda bem vincadas, em harmonia com a passagem do peregrino. Já que a solitude e silêncio, além de facilitar e intensificar a introspecção, favorece a troca e o encontro.

Por outro lado, ao chegar á Galicia essa solitude dá lugar ao encontro de rotas, no Caminho Sanabrés, que une os peregrinos proveniente da rota portuguesa com os peregrinos da Via de La Plata, até Santiago de Compostela.

E para finalizar, é bom saber que a credencial do peregrino está disponível no Museu Almeida Moreira, em Viseu, e o marco inicial está localizado em frente á Catedral da Sé.

Ou seja, o Caminho Português Interior é uma alternativa rica por natureza, caracterizando-se se como um dos mais belos caminhos.

Veja o
Caminho Português Interior
em video

3